BLOG / NOTÍCIAS > Categoria: Artigo

 

Tendências da Contabilidade/2023: atendimento humanizado e atualização tecnológica


Tendências da Contabilidade/2023: atendimento humanizado e atualização tecnológica

A Contabilidade é um setor que precisa estar sempre atualizado, não só em termos de legislação, como também em relação às novas tendências do mercado e aos avanços tecnológicos. Esse é o objetivo MMG Contadores para 2023: trazer cada vez mais recursos para promover um atendimento humanizado, focado nas necessidades da sua empresa. 

Não há como fechar os olhos para o fato de que a tecnologia veio como um tsunami na vida das pessoas e das empresas. Reconhecer é o primeiro passo para aprender a utilizar estes recursos em favor dos serviços contábeis. 

A robotização, decorrente do desenvolvimento da Inteligência Artificial, é um caminho sem volta. 

O ganho da automação contábil

Sem dúvida, a substituição de processos manuais por automatizados é um ganho fantástico. 

O setor Contábil vem caminhando na direção da adesão de novas tecnologias na forma de analisar o crescente volume de dados complexos. 

As tecnologias baseadas em automação podem ajudar as equipes contábeis e fiscais a se tornarem mais proativas dentro das empresas, entregando inteligência financeira, em tempo real, para os empresários.

O desafio da alta performance contábil

Nesse sentido, o contador moderno começa a se reinventar. O foco passa a ser a alta performance, atuando de forma cada vez mais interativa e sinérgica. 

O objetivo é se aproximar mais das empresas, desempenhando uma Contabilidade Consultiva, com análise de gestão, governança corporativa, auditoria, contabilidade financeira, departamento pessoal e outros segmentos essenciais.

Por mais que a tecnologia seja relevante – e ela é – a essência do trabalho do contador continua sendo dar suporte à empresa, com uma Contabilidade Completa, associada a uma Assessoria Empresarial Estratégica.  

Atendimento humanizado e atendimento robótico: qual a diferença?

Tendências da Contabilidade/2023: atendimento humanizado e atualização tecnológica

A essa altura você já deve estar se perguntando: será que é possível utilizar recursos tecnológicos e ainda oferecer um atendimento humanizado?

A resposta é SIM!

Puxando pela memória, a gente certamente vai se lembrar de muitas pessoas que fazem um atendimento robótico. Em outras palavras, frio e distante. 

Parece que a pessoa está recitando um script e não aparenta qualquer iniciativa para realmente ajudar. Muitas vezes, ela sequer consegue ouvir. 

Por outro lado, hoje em dia é possível utilizar os recursos tecnológicos para melhorar a experiência do cliente, automatizando parte da comunicação. 

Quais os benefícios do atendimento automatizado?

Antes de mais nada, é importante saber como oferecer esse tipo de contato, para que ele seja ao mesmo tempo automatizado e personalizado. 

Mesmo porque, a tecnologia oferece inúmeros benefícios que não podem ser desprezados. Veja alguns:

  • Reduz o tempo de espera do cliente; 
  • Atendimento imediato, 24 horas por dia, 07 dias da semana; 
  • Direciona o cliente de acordo com o assunto;
  • Prioriza as demandas mais complexas;
  • Soluciona problemas sem que o cliente tenha que se deslocar;
  • Diminui o tempo médio de atendimento; 
  • Gera novas experiências para o consumidor;
  • Aumenta a produtividade da equipe.

 

O que desejam os clientes?

Um levantamento feito pela Zendesk, especializada em atendimento ao cliente, revelou o que os consumidores querem: 

  • 92% desejam ser tratados com dignidade;
  • 76% desejam a segurança de que os seus problemas não se repetirão;
  • 74% desejam uma explicação;
  • 72% desejam um agradecimento;
  • 63% desejam uma chance de desabafar;
  • 62% desejam um pedido de desculpas.

Decerto, isso implica em um atendimento gentil e empático, com uma boa dose de otimismo. Mais ainda: que seja criativo o suficiente para despertar curiosidade e entusiasmo no encaminhamento da solução dos problemas. 

Qual a importância do atendimento humanizado e como implantar na sua empresa?

Tendências da Contabilidade/2023: atendimento humanizado e atualização tecnológica

Como vimos, humanizar o atendimento é importante para estreitar a relação com o cliente e oferecer a ele uma experiência satisfatória, de acordo com as expectativas dele. 

Assim sendo, quanto mais recursos utilizar melhor, sejam tecnológicos ou por meio de atendentes de carne e osso. Aliás, o ideal é que eles sejam complementares. 

O fundamental é colocar as necessidades do cliente em primeiríssimo lugar, sem abrir mão da tecnologia. Uma vez que, além da Inteligência Artificial, esses sistemas contam com o Aprendizado de Máquina. 

Isso significa que eles são capazes de entender as demandas mais particulares dos consumidores e seus comportamentos, além de proporcionar personalização e um toque humano.

O resultado de tudo isso é que a empresa melhora a experiência do cliente, amplia a satisfação e a fidelização, elevando a reputação da marca.

Como implementar um atendimento humanizado?

Valorizar o aspecto humano na comunicação com o cliente é a peça chave deste quebra cabeças.

Portanto, o primeiro passo é conhecer bem o perfil do seu cliente para atendê-lo em suas expectativas. Isso significa que você deve trazê-lo para o centro das suas estratégias de negócio. 

A partir daí, remodele seu sistema de autoatendimento, utilizando chatbots com repertório de perguntas coerentes com a linguagem e com os valores do cliente.

Treine constantemente as equipes de atendentes para que haja sintonia com o sistema automatizado. 

E mais importante, incorpore a humanização à sua cultura organizacional.

Conclusão

Tendências da Contabilidade/2023: atendimento humanizado e atualização tecnológica

Mesmo com o avanço tecnológico, o atendimento humanizado está em alta em 2023 e deve se manter como forte tendência para os próximos anos.

Esse é um diferencial que agrega muito valor para as empresas e eleva o relacionamento com os clientes a um patamar muito superior.

Você gostaria de ter um atendimento contábil com este perfil?

A MMG Contadores tem como um de seus pilares o atendimento humanizado em todos os pontos de contato com seus clientes. 

Nós associamos a facilidade da contabilidade digital com o atendimento humanizado, por e-mails, mensagens ou telefone. Na MMG você escolhe o que mais funciona para seu negócio.

Fale com a gente e peça uma consultoria gratuita. Queremos ouvir você e ajudar no que for preciso. 

 





     

     

     

     

     

    BLOG / NOTÍCIAS > Categoria: Artigo

     

    Os novos desafios da Gestão do Departamento Pessoal e Relações de Trabalho – 2023


    Os novos desafios da Gestão do Departamento Pessoal e Relações de Trabalho - 2023

     

    As novas gerações trazem consigo novas perspectivas sobre trabalho e vida pessoal. São profissionais que buscam cada vez mais qualidade de vida, autonomia e significado no que fazem. Assim sendo, esses novos valores impactam diretamente na gestão de departamento pessoal e relações de trabalho, que precisam se adaptar a essas mudanças.

    Inegavelmente, os profissionais mais jovens não estão interessados apenas em remuneração e estabilidade. Eles buscam uma ocupação que vá de encontro a seus princípios e estilo de vida.

    De fato, as empresas precisam se preparar para oferecer, além da oportunidade de emprego, uma boa experiência aos profissionais. E essa jornada tem início quando ele ainda é só um candidato.

    Quanto maior eficácia na seleção, mais os profissionais conseguem se enxergar conquistando a vaga. E isso os motiva.

    Como resultado, ele inicia seu contrato muito mais engajado do que os aprovados no recrutamento tradicional e a empresa também sai beneficiada, com mais produtividade. 

    Ainda mais, a empresa otimiza tempo e dinheiro que seriam gastos com a integração e adaptação do novo colaborador. 

    O novo Departamento Pessoal

    Os profissionais de Recursos Humanos são os responsáveis por equilibrar a balança de interesses.

    Se, da sua perspectiva, o empregado quer maior liberdade e flexibilidade para conciliar vida pessoal e profissional. Por outro lado, a empresa busca se adaptar às novas demandas, mas sem perder de vista a segurança jurídica.

    Nesse sentido, é importante manter um bom diálogo com seus empregados para entender quais são as suas expectativas. Dessa forma, você consegue adequar as condições de trabalho às necessidades dos colaboradores e, assim, evitar possíveis problemas jurídicos.

    Antes de contratar o novo funcionário, estabeleça regras claras sobre as responsabilidades dele. Isso evita que conflitos jurídicos surjam posteriormente.

    É importante que a empresa também defina os cargos e os salários. Essa informação deve constar no contrato de trabalho para evitar que haja divergências no futuro.

    Impactos da Contabilidade no Departamento pessoal e Relações do Trabalho

    Os novos desafios da Gestão do Departamento Pessoal e Relações de Trabalho - 2023

     

    Para todos os efeitos, o trabalho da contabilidade é cuidar do setor financeiro de uma empresa e propor alternativas para diminuir custos, escolher melhor o regime tributário, aplicar políticas de remuneração, revisar benefícios, entre outros.

     No que se refere à folha de pagamentos, a contabilidade evita muitos problemas, porque calcula com precisão os valores que cada colaborador deve receber. 

    Isso é fundamental para prevenir despesas desnecessárias, além de garantir que a empresa siga sempre em conformidade com as leis e se previna de problemas trabalhistas.

    Sinergia e maior controle

    Sem dúvida, buscar a sinergia entre contabilidade e departamento pessoal é a melhor forma de garantir o cumprimento dos prazos previstos em lei. E isso inclui obrigações trabalhistas, como horas extras, férias e 13º salário. 

    A contabilidade pode dar suporte também na contratação de novos funcionários. Ela pode organizar e direcionar o recrutamento, além de reunir toda a documentação que dá início ao processo. 

    Com isso, ela reduz a carga de trabalho da equipe de RH que, por sua vez, 

    otimiza a gestão e ainda assegura que a empresa esteja cumprindo todas as obrigações previstas na legislação para cada funcionário.

    Protegendo o caixa da empresa

    A contabilidade também ajuda no controle de benefícios como os vales transporte, refeição, alimentação e programas de bem-estar para os colaboradores, que impactam o caixa da empresa. 

    Não é raro encontrar empresas que perdem dinheiro por não controlar direito ou não calcular corretamente cada item.

    Outro fator importante é que, quando este trabalho é realizado pela contabilidade, não ocorrem distinções nem privilégios para este ou aquele funcionário. O que também protege o caixa da empresa.

    Experiência e visão estratégica

    Se o trabalho é realizado por um escritório de contabilidade experiente, como a MMG Contadores, na apuração dos resultados é possível avaliar o desempenho de cada setor, enxugar custos e melhorar a produtividade geral da empresa. 

    Portanto, a experiência de uma contabilidade bem feita agrega valor e oferece o melhor custo-benefício tanto para o departamento pessoal como para a empresa como um todo.

    Principais tendências e o futuro do Departamento Pessoal

    Os novos desafios da Gestão do Departamento Pessoal e Relações de Trabalho - 2023

     

    É cada vez mais comum encontrar empresários queixosos por causa do comportamento das novas gerações no ambiente de trabalho. 

    As reclamações, justas ou não, vão desde a falta de adaptação aos padrões da empresa até o excesso de exigências, passando pelo pouco comprometimento com a equipe. 

    Isso, por si só, já justifica a necessidade de desenvolver políticas de recrutamento e retenção voltadas para as novas gerações. Além de acompanhar a evolução das carreiras e identificar novas oportunidades de contratação.

    Como vimos, equilibrar a vida pessoal com a carreira profissional é outro ponto importante. Para isso, é aconselhável implementar programas de qualidade de vida no trabalho.

    E junto com a revolução digital surgiram outras preocupações, como cuidar da imagem da empresa nas redes sociais, gerenciar bem as informações confidenciais dos funcionários e acompanhar as mudanças nas leis trabalhistas decorrentes do home office

    Tecnologia e Inteligência

    O avanço tecnológico também introduziu no mercado diversas soluções de inteligência e otimização. 

    Em função deste novo cenário, as empresas têm apostado em uma gestão humanizada e voltada para os resultados, tornando todos os departamentos mais estratégicos e colaborativos, inclusive o DP.

    A tendência é que o uso de ferramentas de gestão e automação permita um trabalho mais eficiente, com redução do trabalho manual e, consequentemente, da margem de erros. 

    O departamento pessoal só tende a crescer com a unificação e automatização, pois cria as melhores condições para atuar lado a lado com a contabilidade.

    Inteligência Artificial e Big Data agora fazem parte da rotina das empresas que estão interessadas em atualizar seus processos, a partir da transformação digital.

    De fato, o departamento pessoal pode ir muito além de um processo operacional e funcionar de maneira estratégica. 

    O desafio agora é ser um fornecedor de dados, apurados junto à contabilidade, para fazer com que a empresa se posicione melhor no mercado e faça uso das melhores soluções tecnológicas disponíveis. 

    Conclusão

    Os novos desafios da Gestão do Departamento Pessoal e Relações de Trabalho - 2023

     

    A MMG Contadores dispõe de uma equipe de especialistas em Departamento Pessoal e Relações de Trabalho que vai ajudar você a superar estes novos desafios.

    Um ambiente de confiança e transparência é fundamental para que as relações de trabalho funcionem bem. 

    A credibilidade de um escritório de contabilidade experiente, associada a um Departamento Pessoal moderno e eficiente, gera tranquilidade e segurança para todos os envolvidos.

    Fale com a gente e peça uma consultoria gratuita. Você vai ver que o futuro já está batendo à sua porta. 

    Venha crescer com a gente!

     





       

      NOSSAS POSTAGENS


       

       

       

      BLOG / NOTÍCIAS > Categoria: Artigo

       

      A importância da gestão financeira nas provisões de férias e 13º salário


      A importância da gestão financeira nas provisões de férias e 13º salário

      A empresa deve fazer a gestão financeira nas provisões de férias e 13º salário dos empregados para se proteger de possíveis problemas financeiros. 

      Isso é essencial para sua saúde financeira, uma vez que os custos dessas verbas podem representar um peso significativo no orçamento. 

      Além disso, é importante considerar que essas verbas são obrigações trabalhistas dos empregadores. Portanto, é imprescindível que estejam sempre disponíveis.

      A gestão desses recursos precisa ser feita de forma criteriosa e responsável, considerando todos os custos envolvidos.

      Dessa forma, a empresa evitará surpresas desagradáveis no futuro e garantirá o bem-estar de seus funcionários.

      Você não se preparou?

      O final do ano se aproxima e com ele as despesas aumentam, mas a maioria dos empresários não se prepara para dar conta dos gastos. É em momentos como este que observamos na prática a importância da gestão financeira nas empresas. 

      Mas é possível se preparar para o fim do ano e não ter problemas financeiros. A primeira coisa a fazer é analisar os gastos e separar os essenciais dos não-essenciais. Depois, é preciso buscar alternativas para economizar, como comprar produtos em promoção ou adquirir itens usados.

      Além disso, é importante planejar as despesas para o próximo ano. Uma boa estratégia é definir um valor para as despesas fixas mensais e não ultrapassá-lo. Dessa forma, você não corre o risco de ficar no vermelho no final do mês.

      E, se mesmo com todas essas medidas você ainda estiver com dificuldades financeiras, não se preocupe. Existem diversas instituições financeiras que oferecem crédito para empresários.

      Portanto, vamos resumir aqui as primeiras dicas: 

      1. Analise os gastos e separe os essenciais dos não-essenciais.
      2. Procure alternativas para economizar, como comprar produtos em promoção ou adquirir itens usados.
      3. Defina um valor para as despesas fixas mensais e não ultrapasse-o.
      4. Consulte um especialista em finanças caso tenha dificuldades financeiras.

       

      Mas, antes de tomar qualquer decisão, é importante consultar um especialista em finanças para que ele possa orientá-lo da melhor maneira.

      O que fazer para melhorar a gestão financeira nas provisões das férias e 13º salário?

      A importância da gestão financeira nas provisões de férias e 13º salário

      O primeiro passo é apurar corretamente as provisões de férias e 13º salário dos empregados para que não haja incidência de multas e encargos trabalhistas. As empresas que assim procedem estão colhendo inúmeras vantagens. 

      Além de seguirem as leis trabalhistas, essas companhias estão demonstrando respeito aos funcionários, o que gera engajamento e comprometimento. 

      Confira abaixo as cinco principais vantagens da apuração correta das férias e 13º salário:

       

      1. Cumprimento da legislação

      Essa é uma obrigação básica de qualquer empresa, mas é importante destacar que a apuração correta das provisões é essencial para garantir o cumprimento da lei.

       

      2. Respeito aos funcionários

      Ao apurar corretamente as férias e 13º salário, a empresa está demonstrando respeito aos seus funcionários. Isso gera engajamento e comprometimento, refletindo positivamente na produtividade da equipe.

       

      3. Redução de custos

      Com a apuração correta das férias e 13º salário, a empresa está reduzindo seus custos trabalhistas. Essa economia pode ser direcionada para outros fins, como o crescimento do negócio.

       

      4. Evitar processos

      Ao apurar corretamente as férias e 13º salário, a empresa está evitando possíveis processos trabalhistas. Isso garante segurança e tranquilidade para os gestores.

       

      5. Controle financeiro

      Com a apuração correta das férias e 13º salário, a empresa está facilitando o controle financeiro. Essa organização permite uma melhor visualização dos custos relacionados ao departamento de RH.

       

      Como fazer as provisões para férias e 13º para o ano que vem?

      A importância da gestão financeira nas provisões de férias e 13º salário

      Fazer a provisão para férias e 13º salário consiste no aprovisionamento mensal dos recursos financeiros relativos a esses benefícios legais. 

       

      Funciona como uma reserva financeira, sendo considerada uma boa prática gerencial, na medida que aumenta o rigor do controle sobre as despesas e possibilita planejar melhor o cumprimento das obrigações financeiras.

       

      É também uma medida adequada do ponto de vista contábil. Uma vez que, todos os meses, os valores são lançados pela contabilidade, tornando mais precisa a apuração dos resultados. 

       

      Veja agora algumas orientações importantes para que sua empresa se prepare e, no ano que vem, não seja surpreendida por um gasto que pode ser bastante alto.

       

      • Defina um orçamento

      O primeiro passo para ter uma gestão financeira organizada é definir um orçamento. Calcule quanto você pode gastar em cada categoria (administrativo, comercial, produção, por exemplo) e defina um valor total.

       

      • Separe o dinheiro

      Separe o dinheiro que será utilizado para as férias e o décimo terceiro salário em duas contas separadas. Assim, você terá uma visão clara da evolução do provisionamento e se ele está sendo suficiente. 

       

      • Monitore as despesas

      Muitas vezes despesas inesperadas, necessárias ou não, desequilibram o orçamento e comprometem a saúde financeira da empresa. Faça isso para não correr o risco de ficar no vermelho no final do ano.

       

      • Economize

      Poupe recursos durante o ano também para manter a produtividade e o padrão de qualidade quando vigorarem os períodos de férias e folgas. Isso garantirá que os negócios permaneçam mesmo com o reduzido número de funcionários. 

       

      • Não se esqueça dos impostos

      Na hora de fazer as contas, não se esqueça dos impostos. Geralmente, os impostos representam uma parcela significativa dos gastos totais. Por isso, tenha esse valor em mente na hora de definir o orçamento.

       

      • Busque orientação profissional

      Faça diferente no ano que vem. A gestão financeira das provisões para férias e 13º salário merecem uma atenção especial e uma abordagem especializada. Dessa forma, sua empresa estará com a saúde financeira em dia. 

       

      A importância da gestão financeira nas provisões de férias e 13º salário

       

      Conclusão

      Fim de ano sempre traz expectativas de aumento de gastos. Portanto, não faz sentido a empresa enfrentar este período sem o devido suporte técnico.

      Porém, para que isso aconteça é necessário que seja feita, durante todos os meses do ano, uma boa gestão financeira das provisões de férias e 13º salário.

      A MMG Contadores dispõe de uma equipe especialista em assessoria empresarial que vai ajudar você a fazer este planejamento.

      Temos também ferramentas avançadas que fazem a correta apuração do cálculo de férias e 13º salário, trazendo redução nos custos, segurança no processo e auxílio no planejamento tributário. 

      Conte com a gente para ter um 2023 com toda a tranquilidade financeira que sua empresa merece. 

      Vamos juntos!





        NOSSAS POSTAGENS


         

         

         

        BLOG / NOTÍCIAS > Categoria: Artigo

         

        As melhores práticas de Gestão Fiscal e Tributária para crescer sua empresa


        As melhores práticas de Gestão Fiscal e Tributária para fazer sua empresa crescer

        Para que uma empresa consiga crescer é necessário que ela desenvolva uma boa gestão fiscal e tributária. As melhores práticas nessa área são cruciais. 

        É importante que os gestores busquem informações sobre os tributos incidentes sobre seus negócios, os regimes tributários disponíveis, as formas de incentivos fiscais existentes, bem como os procedimentos para a apuração e recolhimento de tributos.

        Essas etapas bem executadas podem colaborar para aumentar a competitividade e gerar mais empregos.

        Neste artigo você vai saber o que pode acontecer com sua empresa se ela for vítima de uma má gestão fiscal e tributária. E vai conhecer também as 5 melhores práticas do mercado para fazer sua empresa crescer, como ela merece.

         

        Quais são as 5 piores consequências da má gestão fiscal e tributária?

        As melhores práticas de Gestão Fiscal e Tributária para fazer sua empresa crescer

        Não cuidar da gestão fiscal e tributária de uma empresa pode acarretar em diversas consequências negativas, tanto para o gestor quanto para a empresa como um todo. 

        Entre as piores consequências estão:

         

        • Aumento da inadimplência

        Um dos principais problemas enfrentados por empresas que não cuidam da gestão fiscal e tributária é o aumento da inadimplência. Isso acontece porque os credores percebem que a empresa está com dificuldades financeiras e, por isso, não tem condições de pagar as dívidas.

         

        • Perda de credibilidade

        Quando uma empresa não cuida da gestão fiscal e tributária, os credores ficam desconfiados e isso acaba afetando a credibilidade da empresa perante o mercado. Com isso, pode haver redução do faturamento e até mesmo a saída de clientes.

         

        • Maior risco de calote

        Além de ter um aumento na inadimplência, as empresas que não cuidam da gestão fiscal e tributária correm o risco de ter seu crédito limitado e, até mesmo, de sofrer um calote. Isso acontece porque os credores sabem que a empresa está com dificuldades financeiras e, por isso, podem não ter confiança para emprestar dinheiro.

         

        • Multas e penalidades

        Uma empresa com débitos tributários não está isenta de multas e juros, que podem chegar a valores bem altos. Além disso, a inadimplência fiscal gera inúmeros problemas, como a perda de crédito junto aos fornecedores, a restrição de empréstimos e a intervenção da Receita Federal no negócio.

         

        • Prejuízos financeiros

        Os prejuízos financeiros são um dos principais problemas enfrentados por empresas que não cuidam da gestão fiscal e tributária. Isso acontece porque essas empresas acabam pagando mais impostos do que deviam, tendo que arcar com multas e juros elevados, além de ter a receita comprometida.

         

        E a coisa não para por aqui!

        A falta de regularidade fiscal pode levar à suspensão das atividades da empresa, o que gera prejuízos financeiros, econômicos e sociais, contaminando todo o ambiente de negócios.

        Com toda a certeza, a concorrência acirrada no mercado de hoje faz com que qualquer empresa que não esteja em dia com suas obrigações fiscais corra o risco de perder mercado.

        A falta de gestão fiscal adequada pode levar ainda a um aumento dos custos da empresa, o que diminui sua competitividade.

        Isso sem falar nos processos judiciais. Quando a empresa não cumpre suas obrigações fiscais, há grandes chances de enfrentar ações na justiça, o que traz custos elevados para a empresa e levar à sua falência.

         

        E quais são as 5 melhores práticas da gestão fiscal e tributária?

        As melhores práticas de Gestão Fiscal e Tributária para fazer sua empresa crescer

         

        Os gestores das empresas precisam estar cientes de quais são as melhores práticas da gestão fiscal e tributária para garantir o seu crescimento. 

        A maioria comete erros na hora de lidar com impostos. Por isso, o suporte de um profissional gabaritado é fundamental.

        Ele domina a legislação tributária vigente e sabe qual é a base de cálculo, para não cair em armadilhas. 

        Os especialistas também ajudam a manter as finanças em dia. Quanto mais endividada com o governo, mais difícil fica para obter benefícios fiscais.

        Além disso, é importante planejar bem as compras e as vendas. É preciso estar atento aos prazos de pagamento e às datas de vencimento dos tributos. Se possível, negociar com os fornecedores e clientes para reduzir os custos tributários.

         

        Confira agora as melhores práticas da boa gestão fiscal e tributária para sua empresa:

         

        • Controle suas Notas Fiscais

        Emitir notas fiscais faz parte da rotina administrativa em qualquer ramo de atividade,  tanto entre empresas quanto para o consumidor final. A automatização desse processo deixou o trabalho mais fácil e ágil. Contudo, é preciso controlar cada uma das emissões e ter rápido acesso a elas, quando necessário.

         

        • Faça seu Planejamento Tributário

        Quanto mais desenvolvida a empresa, maior deve ser o cuidado com planejamento tributário. Posto que, isso evita gastos desnecessários, assegura a legalidade do negócio e mantém as operações funcionando. Além de reduzir possíveis correções, prever custos e prevenir riscos quanto a multas ou outras sanções.

         

        • Cumpra com suas obrigações

        Fique de olho nas obrigações fiscais e nas obrigações tributárias (principais ou acessórias), que envolvem emissão de notas fiscais e pagamento de impostos. Ao mesmo tempo, fazem parte também: a análise de dados fiscais, apuração dos impostos e faturamento empresarial, que são as obrigações contábeis.

         

        • Conte com um Auditor Fiscal

        O auditor é responsável por conferir o pagamento de todos os tributos. Caso encontre alguma irregularidade, ele corrige antes que os órgãos competentes o façam. Essa auditoria é feita por um contador específico, sem vínculos empregatícios, para manter o controle tributário.

         

        • Aproveite os Benefícios Fiscais

        Tratam-se dos incentivos oferecidos pelo governo para aliviar, ou isentar, o pagamento de cargas tributárias. Dessa forma, as empresas podem aumentar sua competitividade no mercado. É importante ficar esperto, porque não existem muitos requisitos pré-estabelecidos para se beneficiar. 

        As melhores práticas de Gestão Fiscal e Tributária para fazer sua empresa crescer

         

        Conclusão

        Sem dúvida, você já deve ter percebido o quanto é importante contar com o apoio de um serviço de contabilidade especializado nessa área, que também esteja preparado para prestar uma assessoria empresarial. 

        Para saber mais, leia também o artigo “Contabilidade Consultiva: o que é e a importância para sua empresa“.

        A MMG Contadores está permanentemente atenta às mudanças na legislação tributária, sempre se atualizando e buscando soluções para se adaptar da melhor forma possível às novas regras.

        Você pode contar com nossos profissionais para planejar as despesas tributárias da empresa de forma a minimizar os custos e maximizar os benefícios.

        Por fim, vamos deixar uma última dica: visite o nosso site. Nele, você encontrará mais informações sobre gestão fiscal e tributária e poderá contar com o apoio de nossos experientes profissionais.

        Preencha o formulário abaixo. Compartilhe os desafios da gestão de sua empresa e vamos conversar sobre um futuro melhor para todos nós!

        Conte conosco!

         





           

          NOSSAS POSTAGENS


           

           

           

          BLOG / NOTÍCIAS > Categoria: Artigo

           

          10 maiores riscos que o empreendedor corre por não regularizar a empresa


          10 maiores riscos que o empreendedor corre por não regularizar a empresa

          A economia brasileira enfrenta uma grave crise, o que tem afetado diretamente as empresas. Resultado: a maioria está precisando de ajuda para cumprir suas obrigações. Por isso, a MMG Contadores publica este artigo sobre a importância de regularizar a empresa. 

          Os problemas enfrentados vão desde o pagamento de multas e juros, a interrupção da produção e até a falência. Além disso, as empresas que não estão regularizadas também têm dificuldades para obter crédito junto a bancos e outras instituições financeiras.

          Por isso, é importante que o empresário regularize a sua empresa o quanto antes, com o apoio de uma contabilidade especializada, que ofereça as soluções necessárias para cada situação. 

          Você não está sozinho

          A consultoria internacional Endeavor faz um acompanhamento do mercado e realiza ações para apoiar o empreendedorismo em várias partes do mundo, inclusive no Brasil.

          Aqui, ela divulgou uma pesquisa dando conta de que 86% das empresas brasileiras estão com algum tipo de irregularidade perante os órgãos de controle. 

          As pendências incluem atrasos no pagamento de impostos ou não cumprimento de exigências de prefeituras, estados ou da Receita Federal.

          Outro estudo aponta na mesma direção. Segundo o Sebrae, a taxa de informalidade aqui no país pode ser maior que 71%.

          Um dos fatores determinantes para isso é a falta de informação. Afinal, os procedimentos não são acessíveis e nem claros para as pessoas. 

          Por um lado, isso dificulta muito e desestimula a formalização. Por outro lado, evidencia ainda mais a necessidade de uma assessoria especializada.

          Além disso, a burocracia acaba levando muitos empreendedores a pensarem que ficar ilegal é a opção mais vantajosa, até mesmo porque eles desconhecem as desvantagens e os riscos que essa escolha traz. 

          Quais as desvantagens de não regularizar a empresa?

          10 maiores riscos que o empreendedor corre por não regularizar a empresa

          Uma das consequências que a empresa corre quando atua no mercado sem estar regularizada é não ter o apoio necessário para prosperar no mercado. 

           

          Sem o aval da fiscalização, a empresa corre o risco de ser fechada a qualquer momento, o que pode levar a prejuízos financeiros e até mesmo à perda de empregos.

           

          Portanto, é fundamental estar com a empresa regularizada. Essa é a única forma de garantir segurança e tranquilidade para o empreendedor e seus funcionários.

           

          Veja agora as desvantagens em detalhe:

           

          1. Risco de ser pego pela Receita

          Muitas vezes, pela complexidade, o empreendedor deixa de cumprir as exigências legais. Dependendo da gravidade, as consequências podem ser fatais para a empresa e desastrosas para o empresário. 

           

          2. Falta de proteção dos bens pessoais

          A empresa irregular atua de forma ilegal. Por isso, existe a possibilidade do empreendedor perder os bens pessoais, pois eles poderão ser penhorados para pagamento de dívidas da empresa.

           

          3. Emissão de Nota Fiscal Negada

          Na informalidade, as notas não podem ser emitidas, nem mesmo as eletrônicas, como NFS-e, NF-e e NFC-e. Isso dificulta a contabilidade e o controle financeiro, além de aumentar a possibilidade da empresa perder bons clientes.

           

          4. Não pode assinar a Carteira de Trabalho

          Alguns pensam que isso economiza com encargos trabalhistas. Porém, o risco é alto. Por exemplo, se um funcionário informal sofre um acidente no horário de trabalho, a empresa vai ter que pagar as multas e os custos do auxílio.

           

          5. Perde acesso a créditos especiais nos bancos

          As linhas de crédito empresariais, em geral, são mais baratas. No entanto, somente para as regularizadas. Ou seja, a empresa tem menos chances de crescimento, porque deixa de receber o apoio financeiro para isso. 

          10 maiores riscos que o empreendedor corre por não regularizar a empresa

           

          6. Deixa de participar de licitações públicas

          Nos contratos com o setor público a estabilidade, a produtividade e a demanda são bem maiores. Mas, para participar a empresa precisa estar regularizada. O que se torna um obstáculo para geração de novas oportunidades de negócios.

           

          7. Dificuldade para atrair investidores

          Para atrair capital e negociar ações, por exemplo, as empresas precisam mostrar relatórios contábeis bem detalhados e de acordo com os padrões indicados pelo mercado financeiro. Claro que não dá para fazer isso na ilegalidade. 

           

          8. Impossibilidade de investir no mercado externo

          Empresas que produzem artigos que poderiam ser exportados só vão poder se cadastrar em programas de exportação, rodadas de negócios ou férias do setor se estiverem legalizadas. O que fecha as portas do mundo para a empresa.

           

          9. Limitação da expansão da empresa

          Quanto mais a empresa irregular cresce, mais aumenta o risco de chamar a atenção dos órgãos fiscalizadores e dos concorrentes. Os dois certamente vão criar obstáculos, fazer interdições e aplicar multas, limitando a expansão.

           

          10. Fechamento da empresa

          Diante de tantos problemas, fica fácil entender porque boa parte das empresas irregulares encerram as atividades antes do tempo. Ao final, bastará uma decisão da Justiça para receber a ordem de fechar as portas.

          O que o empreendedor ganha ao regularizar a empresa?

          10 maiores riscos que o empreendedor corre por não regularizar a empresa

           

          Primordialmente, é importante destacar que regularizar a empresa é um processo obrigatório, sob risco de punição. 

          Essa ação consiste na apresentação de documentos e informações relativos à atividade empresarial às autoridades competentes, com o objetivo de assegurar o cumprimento da legislação.

          Dessa forma, ao regularizar a empresa, o empresário está cumprindo com uma obrigação legal.

           

          A segurança de uma rede de proteção.

          Acima de tudo, todos sabemos que a vida do empreendedor não é fácil. As ameaças ao negócio são permanentes, o que provoca muita insegurança. 

          Porém, o empresário que regulariza a empresa também cria uma rede de proteção pessoal. 

          Já pensou em ter direito a aposentadoria ou, em momentos de necessidade, auxílio-doença e salário-maternidade? 

          O empreendedor que formaliza o seu negócio pode contar com benefícios previdenciários para si e para os seus dependentes, já que a família tem acesso à pensão por morte e auxílio-reclusão. 

          Tudo isso traz mais segurança e tranquilidade ao empresário.

           

          Conclusão

          Em suma, regularizar a empresa é um processo importante para que o empresário possa gozar de todos os benefícios previstos em lei. 

          Assim, ele estará cumprindo com as obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas. 

          Dessa forma, se protegerá contra possíveis autuações e penalidades.

          Além disso, a regularização permite acesso a crédito, financiamentos e a participação em licitações. 

          Na MMG Contadores você conta com especialistas experientes para ajudar você nessa tarefa tão importante. 

          Entre em contato com a gente. Preencha o formulário abaixo e conte sua história. Nós vamos ajudar você!

          Seja bem-vindo!





             

            NOSSAS POSTAGENS


             

             

             

            BLOG / NOTÍCIAS > Categoria: Artigo

             

            Contabilidade Consultiva: o que é e a importância para sua empresa


            A Contabilidade Consultiva hoje em dia está ganhando um papel estratégico para o crescimento das empresas. 

            O trabalho vai muito além de recolher documentos e dados fiscais, emitir e enviar guias de impostos, fazer toda a escrituração contábil e, por fim, enviar tudo para o Fisco. 

            O mais importante para os empresários conectados com a nova realidade do mercado é saber o que fazer com todas estas informações fiscais e contábeis. 

            E é por isso que as empresas estão buscando cada vez mais por uma Contabilidade Consultiva.

            Como surgiu a Contabilidade Consultiva?

            Trata-se de uma evolução da própria Contabilidade para um modelo de negócio em que o contador atua mais próximo da realidade das empresas, interagindo de maneira estratégica, para garantir os melhores resultados.

            Primeiramente, vamos entender melhor a Contabilidade como um todo. 

            Os conceitos aqui apresentados fazem parte do estudo acadêmico “Contabilidade Gerencial Consultiva: Análise Bibliométrica das Publicações no Brasil e no Mundo”, que traz um panorama geral e delimita bem as áreas de atuação:

            • “Contabilidade é a ciência social que estuda, analisa, interpreta e controla o patrimônio das entidades, acompanha os fatos ocorridos durante atividade do dia-a-dia e avalia a situação econômica financeira da organização, e através das informações, verifica a composição e variações da riqueza patrimonial. (OLIVEIRA; NAGATSUKA, 2000, p 214). “

            Porém, com o tempo, a Contabilidade passou a ser vista como um meio de identificação, medição e comunicação de informações econômicas e financeiras, com a finalidade de permitir julgamentos e tomadas de decisão por parte da empresa.   

            Dessa forma, ela foi ganhando um caráter gerencial, cuja tarefa básica passou a ser a seguinte: gerar e interpretar informações que aumentem a eficácia, a eficiência e a efetividade dos negócios.

            Portanto, foi a própria demanda do mercado que gerou as bases para o surgimento da Contabilidade Consultiva. 

            Afinal, o que é a Contabilidade Consultiva?

            Contabilidade Consultiva: o que é e a importância para sua empresa

            A palavra ‘consultiva’, que vem qualificando a forma deste tipo de contabilidade, refere-se à consulta/consultório. Sua função é dar um parecer, emitir uma opinião, formular um conselho ou sugestões. Ou seja, significa operar como um órgão consultivo. 

            • Nesse sentido, a Contabilidade Consultiva pode ser entendida como “um novo modelo de relacionamento entre o contador e as informações oferecidas para o empresário, para Rocha (2018) contabilidade consultiva é o modelo de negócios no qual o contador atua de forma mais próxima dos empresários”, como aponta o mesmo estudo.

            Sua aplicabilidade, portanto, decorre da necessidade das empresas em obter informações mais precisas para a análise e tomada de decisão. 

            Assim sendo, a Contabilidade Consultiva entrega não só a escrituração, mas também os diagnósticos, além de apresentar insights que ajudam a melhorar o resultado da empresa.

            Quais são as qualificações do Contador Consultivo?

            Em suma, o consultor é um profissional experimentado e especializado em sua área de atuação, que dá suporte para empresas ou pessoas. O objetivo é melhorar processos e qualificar os resultados. 

            A gestão das empresas é o principal fator de sucesso dos empreendedores. Segundo levantamento do Sebrae, Sobrevivência de Empresas (2020), a taxa de mortalidade nas MEIs é de 29%. Já nas microempresas é de 21,6% e nas de pequeno porte, de 17%.

            Por isso, os contadores de maior sucesso são os que estão participando mais diretamente dos negócios. Eles ajudam as empresas na solução dos problemas. 

            O Contador Consultivo não participa diretamente na decisão. Mas, auxilia e esclarece, a partir da análise dos relatórios, extraindo informações úteis para os objetivos estratégicos da empresa. 

            Por conseguinte, ele precisa ter a habilidade de transformar aquilo que é tradicional e pouco significativo em uma coisa boa de apreciar. E isso é uma arte!

            Como funciona a contabilidade consultiva?

            Contabilidade Consultiva: o que é e a importância para sua empresa

            Em primeiro lugar, o escritório precisa ser encarado como parceiro, não como despesa. E tudo começa a partir de uma relação de confiança, que cresce com o tempo. 

            E isso só poderá acontecer se o Contador Consultivo prestar um serviço extremamente personalizado. Tudo é feito com base nas necessidades e especificidades do seu negócio. 

            Ele levanta os dados e analisa as movimentações para oferecer as melhores estratégias para o crescimento da empresa. 

            Juntos, contador e gestor, desenham os planos de ação sintonizados com a realidade da empresa e do mercado. 

            A comunicação entre ambos precisa ser transparente e objetiva, em uma parceria mútua. 

            Qual o impacto da Contabilidade Consultiva na minha empresa?

            Contratar uma Contabilidade Consultiva é certamente o primeiro passo para levar sua empresa a outro patamar. 

            Em síntese, ela visa a gestão global do negócio; faz o planejamento fiscal, financeiro e estratégico; utiliza as melhores ferramentas de controle financeiro; prepara sua empresa para atender adequadamente às demandas do mercado; além de orientar e direcionar o negócio estrategicamente. 

            O impacto no seu negócio atinge todas as áreas. Veja alguns dos benefícios diretos. 

            Fácil acesso

            O principal benefício da Contabilidade Consultiva é que ela está mais próxima ao seu negócio. E esta proximidade só tende a aumentar, de forma que ela passa a fazer parte dele. 

            Redução de despesas

            Com processos sistematizados e automatizados, o acompanhamento do resultado é em tempo real, permitindo economia de tempo, aumento da produtividade e melhorias constantes. 

            Mais inovação

            A Contabilidade Consultiva utiliza muita tecnologia para leitura e análise de dados. Com informações mais precisas, você poderá investir em estratégias inovadoras para alavancar o negócio.

            Agrega valor

            Juntando redução de custos e inovação, o saldo é muito positivo, permitindo uma visão mais estratégica, maior competitividade e a sustentabilidade do negócio por muito mais tempo. 

            Conclusão

            Agora que você já sabe o que é a Contabilidade Consultiva e porque ela pode significar o sucesso da sua empresa, fale com a gente na MMG Contadores. Somos especialistas no assunto. 

            A partir do momento em que você enxergar a verdade dos seus números, seu planejamento ganha qualidade, as decisões ficam mais realistas e o crescimento torna-se sustentável. 

            Você gostou do artigo? Então, preencha seus dados abaixo e receba mais informações exclusivas, que vão ajudar você a turbinar sua empresa. 





               

               

              NOSSAS POSTAGENS


               

               

               

              BLOG / NOTÍCIAS > Categoria: Artigo

               

              Um novo olhar sobre a recuperação judicial


              Marcos Andrey de Sousa – Advogado da Cavallazzi, Andrey, Restanho & Araujo Advocacia

              A crise econômica provocada pelo Coronavírus obrigou muitas companhias nacionais a utilizar o instituto da recuperação judicial. Os legisladores, convencidos de que esse pode ser um instrumento importante para a sobrevivência dos negócios no pós-pandemia, discutem projetos que modernizam as regras definidas na Lei nº 11.101, em vigor desde 2005, e oferecem condições favoráveis para tornar menos árido o ambiente de negócios para as empresas em processo de reestruturação.

              A visibilidade do assunto pode contribuir para que o empresariado e os gestores públicos brasileiros percebam a importância da reestruturação empresarial como ferramenta eficiente para evitar a falência de pequenas, médias e grandes organizações. Nada obstante os dados e notícias acerca do aumento de pedidos de recuperação judicial e de recuperações extrajudiciais no Brasil, o número de empresas que se utilizam dos instrumentos de insolvência para sua reorganização ainda é muito baixo em comparação ao que se vê no em outros países. Estes baixos índices não são coerentes para um país com uma economia como a nossa.

              Há razões culturais e legais que explicam. Em geral, empresários resistem aos instrumentos de recuperação por motivos variados: entre eles, destaque para o injustificado constrangimento e as experiências ruins vividas com antigos e ineficientes institutos que não mais vigoram, como a concordata.

              Há que se esclarecer, antes de tudo, que crise financeira não é sinônimo de erro. As empresas exploram atividades de risco por natureza e passam por reveses em qualquer lugar do mundo. Afinal, a atividade econômica é sujeita a fatores endógenos (internos) e exógenos (externos), que por vezes conduzem a situações de dificuldade nem sempre atribuíveis aos empresários e administradores. As assimetrias de informações também são inerentes a todos os mercados, induzindo a tomada de decisões e rumos cujos resultados nem sempre são os esperados. Portanto, a adoção de medidas de reestruturação deve fazer parte da vida das empresas, conforme se verifica na história da economia mundial.

              A crise econômica provocada pela pandemia é prova disto. Ela tem atingido gravemente as empresas. Ou seja: nem sempre a crise pode ser atribuída ao empresário. Diante disso, os únicos fatores que não podem preponderar na análise do caminho a seguir são a idiossincrasia, o receio, a incerteza e até o constrangimento em buscar o auxílio necessário para o soerguimento dos negócios.

              Há ainda uma questão jurídica a ser considerada. No Brasil, a adoção de qualquer medida de recuperação ainda depende, única e exclusivamente, de decisão e iniciativa do empresário em crise. Em outros países como a França e os Estados Unidos, citados apenas como exemplo, tal iniciativa pode ser tomada por terceiros, inclusive pelos credores. A lei de recuperação de empresas brasileira tem origem em um projeto de lei de 1993. Durante o longo trâmite legislativo, chegou-se a sugerir a inclusão de previsão legal permitindo aos credores requerer a instauração de medidas que buscassem não necessariamente a falência e a liquidação da empresa devedora, mas também sua reorganização e recuperação. É o que se denomina na legislação americana de involuntary petition.

              Todavia, tal previsão foi retirada ainda durante o trâmite do projeto de lei que culminou na Lei nº 11.101/2005. Portanto, pela sistemática vigente no Brasil, a falência pode ser requerida pelos credores, pelo próprio devedor (autofalência) ou pelos seus sócios, herdeiros e cônjuges, mas a recuperação judicial e a recuperação extrajudicial, instrumentos que visam à superação da crise empresarial, só podem ser requeridas pelo próprio empresário devedor (empresário individual, sociedade empresária ou pela EIRELI).

              Na época, a justificativa era a de que não havia ainda no Brasil o amadurecimento necessário para permitir aos credores esta iniciativa. Necessitávamos ainda, segundo aquele discurso, da absorção de outras mudanças significativas, de acordo com as regras que passaram a vigorar, tais como: a possibilidade de o empresário devedor adotar meios ilimitados de recuperação; a sujeição aos planos de recuperação judicial dos créditos trabalhistas, com garantia real e privilegiados; a submissão dos planos de recuperação a aprovação dos credores; a venda de ativos sem sucessão, mesmo trabalhista e tributária.

              Ocorre que o tempo é fator importante nessa equação. Há que se respeitar o momento ideal para adotar as medidas de recuperação da empresa. Cabe ao empresário, diante de um quadro de agravamento de crise, analisar o atual estado da organização, ou seja: a viabilidade, a composição das dívidas, o patrimônio, a capacidade de geração de caixa e sua projeção. A aferição se dá, preferencialmente, através de diagnóstico, ou due dilligence, que permite aferir qual o melhor plano de ação para a recuperação da empresa, que pode ser desde a renegociação com credores específicos, a renegociação coletiva com os credores ou, se tais medidas não se mostrarem suficientes, a recuperação extrajudicial ou, em último caso, a recuperação judicial. O fundamental, no difícil momento que enfrentamos, é fazer o possível e o adequado para sobreviver.

              Postamos aqui artigo publicado no ESTADÃO

              NOSSAS POSTAGENS


               

               

               

              BLOG / NOTÍCIAS > Categoria: Artigo

               

              Criando uma nova cultura organizacional? Saiba por onde começar!


              Você já parou para colocar na ponta do lápis quanto custa contratar um novo colaborador? Quando o gestor faz essa conta, fica claro que é mais econômico reter talentos que fazem parte do time do que iniciar um novo processo de contratação.

              Além do impacto financeiro, a longevidade da equipe é fundamental para disseminar e fortalecer a cultura organizacional pela qual a empresa preza. Esse conceito representa os valores, comportamento e código de conduta que rege as relações na instituição.

              Devido a sua importância decidimos explorar esse tema e explicar o seu papel na satisfação da equipe no ambiente de trabalho. Continue lendo para saber mais!

               

              Promove a atração e retenção de talentos

              Encontrar profissionais qualificados, comprometidos e inovadores já é um desafio diário para a equipe de Recursos Humanos tendo em vista que o mercado está cada vez mais competitivo, as empresas cada vez se tornando mais atrativas e buscando serem bons lugares para se trabalhar.

              Porém, contratar esse profissional é apenas o primeiro passo. 

              Na prática, é preciso manter os colaboradores engajados com a empresa por meio de um conjunto de incentivos e programas de meritocracia. Essa prática é transformadora para o ambiente de trabalho, pois cria um forte senso de pertencimento e compatibilidade com a cultura organizacional.

               

              Ajuda a reduzir custos

              As empresas que têm elevado nível de turnover, ou seja, alta rotatividade na contratação e demissão de pessoal, lida com os custos desse problema. Conduzir o processo de seleção, contratação e treinamento de profissionais tem um custo elevado, tanto financeiro quanto de tempo.

              Some a isso o fato de que todo o processo de demissão, além de requerer o pagamento de verbas rescisórias, ainda prejudica a produtividade do time afetado com a saída de um colaborador e da empresa como um todo que depende da atividade por ele desenvolvida. 

              O desequilíbrio financeiro acontece porque a empresa está investindo no aumento da equipe, mas não está tendo o retorno esperado.

               

              Aumenta o engajamento

              Ao estabelecer uma cultura de colaboração, os funcionários replicam os comportamentos esperados. Esse é um fator que ajuda a criar um clima favorável, o que melhora a cooperação e a comunicação em todas as esferas da hierarquia.

              O engajamento também é fruto da visão dos gestores que devem promover boas práticas para construir esse relacionamento. Como resultado, a empresa conquista um elevado patamar de produtividade e alinhamento com a conduta da empresa.

               

              Favorece o desenvolvimento de líderes

              A promoção interna é um dos maiores motivadores para a equipe. Nós reconhecermos o valor de contratar no mercado para trazer novas perspectivas, mas é preciso favorecer quem já conhece bem o funcionamento da organização.

              Para que isso seja possível é fundamental criar um programa de treinamento e qualificação interna buscando formar líderes e desenvolver futuros gestores. Além disso, um plano de carreira abrangente favorece que o funcionário continue fazendo parte do negócio devido a perspectiva de crescimento na carreira.

               

              É um fato que uma equipe satisfeita com o ambiente de trabalho produz mais e melhor. Todos os elementos que explicamos acima fazem parte de uma cultura organizacional que ajuda os colaboradores a crescerem e atingirem todo o seu potencial. 

              Por fim, crescer é um esforço conjunto que requer colaboração e motivação.

              Se você tem experiência com o desenvolvimento de cultura organizacional ou quer compartilhar como a sua empresa desenvolve esse conceito, deixe o seu comentário. Nós queremos conhecer a sua opinião sobre o tema!

              NOSSAS POSTAGENS


               

               

               

              BLOG / NOTÍCIAS > Categoria: Artigo

               

              Gestão à distância no RH: 4 dicas para torná-la mais eficiente


              O cenário de pandemia gerou uma demanda importante e que até hoje é um desafio para os profissionais de RH. Um dos pontos é, principalmente, conseguir gerenciar os times de forma remota, com excelência e sem prejudicar o andamento das atividades na empresa.

              Gerenciar os times à distância pode ser um grande desafio. Contudo, quando você segue as medidas corretas, torna-se muito mais fácil se adequar para novos cenários. A gestão à distância no RH já não é mais um assunto do futuro e sim do presente, afinal, muitos negócios não pretendem voltar com atividades presenciais, atuando em modelos híbridos ou totalmente remotos.

               Confira a seguir 4 dicas importantes para tornar essa gestão mais eficiente. Veja mais a seguir:

               

              1. Acompanhe os profissionais de perto

              Ok, você pode perguntar agora: mas como acompanho os profissionais de perto se eles estão distantes geograficamente? Aqui está o grande cerne da questão: precisamos utilizar mecanismos que, justamente, auxiliem a trazer mais proximidade no dia a dia.

              Para isso você pode adotar soluções que permitam trocas com os gestores de cada setor, podendo assim acompanhar rendimentos e analisar quais áreas estão indo bem e quais precisam de mais atenção. Com isso, o profissional de RH pode intervir de forma proativa e reequilibrar os times, mesmo que à distância.

               

              2. Mantenha a comunicação aberta com os times

              Um dos pontos fundamentais da gestão de pessoas é incentivar as trocas de informações com uma comunicação aberta, assertiva e clara entre lideranças e times. Por isso, uma forma para que o RH possa intervir com uma gestão à distância eficiente é trazendo ferramentas de comunicação para o ambiente interno da empresa.

              Além disso, incentivar essa abertura por parte das lideranças é fundamental. Conscientize os gestores sobre a possibilidade de sempre manterem esse canal aberto, realizando bate papos coletivos e individuais, pois isso é significativo para o engajamento com as equipes, principalmente em um cenário de trabalho remoto.

               

              3. Mantenha controle sobre as metas de produtividade

              Converse com as lideranças sobre manterem-se atualizadas quanto às metas de produtividade do time e de cada profissional. Utilizar um software que mantenha essas informações atualizadas pode ser uma forma interessante de melhorar a gestão de pessoas e evitar desequilíbrios entre as tarefas.

              Com isso, tanto RH quanto a liderança do setor devem analisar a situação como um todo e identificar se há problemas com alguém em específico que precisa ser solucionado. Desta forma, o gestor de pessoas pode chamar profissional e liderança para conversarem e entender se há questões que estejam afetando-o pessoalmente. A partir disso, há uma postura proativa na resolução de problemas e não compromete o clima organizacional.

               

              4. Conte com softwares específicos

              Para tudo que listamos anteriormente e, assim, ter uma gestão à distância realmente eficiente, é por meio das tecnologias. A transformação digital, acelerada ainda mais com a pandemia, trouxe novas soluções que permitem aos gestores das mais diferentes áreas conseguirem acompanhar todas essas questões com maior eficiência e trocar dados com os profissionais de RH quando necessário.

              A gestão à distância no RH é o futuro do setor. Por isso, invista em tecnologias importantes que auxiliarão no dia a dia.

               

              Tem alguma dúvida sobre o assunto? Deixe nos comentários e responderemos!

              NOSSAS POSTAGENS


               

               

               

              BLOG / NOTÍCIAS > Categoria: Artigo

               

              Redução de custos: conheça as 8 melhores práticas!


              Na busca constante de excelência na gestão, várias práticas precisam estar em permanente desenvolvimento e uma delas com certeza é a redução de custos.

              Há tecnologias e insights para isso, mas geralmente, uma gestão eficaz segue um conjunto de boas práticas. Ainda que não haja uma fórmula pronta, aderir essa linha pode ser crucial para aprimorar tal demanda.

              Dessa forma, desenvolvemos um artigo rápido e focado nas melhores práticas de redução de custos.

              E se você ler até o final, terá um bônus especial. Acompanhe!

               

              Quais as melhores práticas para redução de custos em negócios?

              Muitas dessas práticas compartilhadas referem-se a mindset. Nesse ponto, é fundamental que o gestor vá além de buscar macetes, dicas e sugestões e tenha uma mentalidade consciente com os custos empresariais. Veja:

              1. Corte de gastos

              O corte de gastos é um dos principais elementos de redução de custos. Você pode fazer uma análise e identificar os gastos supérfluos e buscar com maior atenção outras possibilidades de diminuição. Veja agora algumas ações:

              • analise o processo produtivo e identifique repetições e gaps;
              • busque condições mais favoráveis com fornecedores e renegocie as compras;
              • elimine desperdícios de energia elétrica, uso de água e custos com insumos;
              • identifique custos irrelevantes para funcionários ou ineficazes para o negócio e elimine;
              • analise o enquadramento tributário da empresa e verifique possibilidades de elisão fiscal.

              Além disso, tenha um monitoramento recorrente de gastos por meio de análises de relatórios e tendências para observar custos excessivos em épocas sazonais e em eventualidades.

              2. Renegocie dívidas

              É comum que as empresas passem momentos de crises e enfrentem pesadas dívidas. Há situações em que a dívida é positiva para o negócio e ocorre para um investimento em inovação ou melhoria.

              Por outro lado, erros de gestão financeira podem gerar distorções no orçamento e levar as dívidas a níveis muito elevados. A renegociação de valores, taxas de juros e prazos mais adequados à capacidade empresarial é fundamental nesse ponto.

              O ideal é que a negociação seja feita em cima das possibilidades da empresa. De nada adianta tentar renegociar e não cumprir o acordo. Nesse caso, a empresa perde a credibilidade.

              3. Terceirize atividades

              Uma boa dica é focar nas atividades fim e deixar as atividades meio para empresas especializadas. Assim, você economiza com pessoal, infraestrutura, capacitação e uma série de outros custos.

              Atente para terceirizar na medida certa. Excessos ou faltas podem ser prejudiciais de forma semelhante e impactar negativamente nos custos empresariais.

              Em muitos casos, há soluções corporativas de empresas especializadas que contribuem muito para responder em determinada demanda e evitar que o gestor tenha que criar uma infraestrutura com equipe capacitada, que normalmente sai muito mais cara que a terceirização.

              4. Automatize processos

              Diversos processos mecânicos que eram praticados há algum tempo podem ser substituídos pela automação. Nesse ponto, custos com xerox, alocação de profissionais e infraestrutura podem ser facilmente suprimidos. Dentre as principais soluções de automação, destacamos:

              A ideia é identificar rotinas e tarefas repetitivas, que não exijam raciocínio humano e automatizar essas ações. Os processos manuais geralmente não são muito atrativos para as pessoas e ocupam um tempo considerável de trabalho.

              Dessa forma, a automação acaba acelerando a produção e liberando períodos livres para que os colaboradores tenham tempo de pensar em melhorias e processos evolutivos para o negócio.

              5. Aplique tecnologia em nuvem

              A tecnologia em nuvem, também conhecida como cloud computing, também entra nessa pauta de redução de custos, principalmente em relação à infraestrutura.

              Há diversas soluções no mercado que agregam um excelente valor integrando a organização dos dados empresariais, adicionando segurança da informação e transferindo o armazenamento de dados para um servidor virtual.

              O investimento em cloud é um dos meios mais inteligentes de redução de custos para um negócio. A tecnologia é uma tendência natural para as empresas e representa um grande diferencial competitivo.

              6. Conscientize a equipe

              Outra excelente maneira de reduzir custos é por meio da conscientização geral. Não só o líder deve dar o exemplo com uso responsável dos recursos de trabalho, mas também é importante conversar com a equipe.

              Você pode elaborar uma pequena cartilha simples e rápida e compartilhar na rede ou até promover reuniões rápidas para orientar as pessoas sobre o uso econômico dos recursos e meios de serviço.

              Além disso, é importante orientar os gerentes a evitar a alocação de colaboradores em horários fora do expediente para reduzir ao máximo horas extras. O controle de banco de horas é um bom exemplo de inteligência nessa gestão.

              7. Faça gestão de estoque e logística

              A transformação digital impactou praticamente todos os setores de negócios, promovendo tecnologias e inovações. Na Logística, isso não é diferente, no entanto, essa área ainda exige muito trabalho operacional que demanda um custo elevado para o gestor.

              Nesse sentido, é muito importante que esse setor seja bem administrado, buscando meios de otimização para aprimorar entregas, eliminar retrabalhos, diminuir a necessidade de infraestrutura para armazenamento de produtos, dentre outras práticas.

              O conjunto dessas ações, aliado a uma boa solução de gestão, são os pilares para redução de custos nessa demanda. Assim, é fundamental que o gestor tenha essa atenção para economizar.

               

              (Bônus) Por que a performance corporativa interfere na redução de custos?

              A redução de custos pode ser um benefício natural de uma importante estratégia de gestão: a performance corporativa. Além disso, outras funcionalidades desta solução são extremamente úteis para um negócio como:

              • aumento de produtividade;
              • aprimoramento de tomada de decisão;
              • redução de custos operacionais; dentre outras.

              Na verdade, a performance corporativa é o principal objetivo de uma das soluções da Senior: o BI (Business Intelligence). Por meio deste módulo, a tomada de decisão será bem mais precisa e inteligente e por consequência, mais econômica.

              Agora você tem uma noção muito mais completa sobre a importância da redução de custos e suas melhores práticas. Isso é fundamental para um negócio otimizar sua lucratividade.

               

              Neste artigo, você descobriu as 8 melhores práticas para garantir redução de custos em um negócio. Além disso, entendeu como a performance corporativa é fundamental neste cenário.

              Aliás, se você quer ir muito além da redução de custos, aproveite a oportunidade e se aprofunde em performance corporativa!

              NOSSAS POSTAGENS